23/07
12:01

A economia sergipana gerou 634 empregos formais em junho

Ricardo Lacerda
Professor da UFS

Há sinais de que a queda do emprego na economia sergipana pode ter estancado no 2º trimestre de 2017. A prudência recomenda aguardar os próximos resultados mensais, mas é possível que tenha surgido uma luz no fim do túnel que indique uma elevação moderada na geração de empregos na segunda metade do ano. 

Depois de um 1º trimestre de forte eliminação de empregos com carteira de trabalho, cortes que refletiram a confluência dos efeitos da recessão com fatores sazonais, como o final da safra da cana-de-açúcar, o emprego formal flutuou em torno da estabilidade em abril (+113) e em maio (-8) e apresentou resultado positivo um pouco mais robusto no mês de junho, com a geração de 634 vagas. 

Na série iniciada em dezembro de 2015, como o Gráfico 1 permite visualizar, os resultados do 2º trimestre de 2017 parecem indicar um momento diferenciado do mercado de trabalho formal em relação a períodos anteriores, que poderá ou não ser confirmado nos meses vindouros. É possível que a geração de emprego no trimestre tenha sido causada por ajuste nos excessos de cortes de vagas em meses anteriores (notadamente no setor sucroalcooleiro), mas há razões para acreditar que a evolução do emprego formal pode ter iniciado um período de estabilização seguido por elevação moderada, em linha com o que deve acontecer na média do país. 

Como em termos sazonais o mercado de trabalho na segunda metade do ano costuma ser melhor do que na primeira metade as próximas edições mensais das movimentações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério do Trabalho e Previdência Social, devem confirmar a tendência de incremento moderado, mesmo que em meses específicos possa haver cortes de emprego. 

Emprego em junho

 

A geração de emprego em junho foi significativa, entre outras coisas, por ser o melhor resultado para esse mês desde 2012. Em junho de 2013, haviam sido criados 235 empregos formais em Sergipe; em junho de 2014, apenas nove empregos, em junho de 2015, corte de 149 empregos e em junho de 2016 foram -647 empregos (ver Gráfico 2). 
 
Setores
Em termos setoriais, diversas atividades contribuíram para o resultado positivo de junho de 2017. Na indústria de transformação, a fabricação de alimentos e bebidas foi a atividade que mais criou emprego, com a contratação de um grande número de trabalhadores da indústria de açúcar no município de Laranjeiras. Certamente, o regime de chuvas favorável contribuiu para que o setor sucroalcooleiro antecipasse a contratação de parcela de funcionários que haviam sido desligados em março, mas o setor somente atingirá o pico de geração de emprego a partir de outubro. 

Outras atividades industriais, menos afetadas por fatores sazonais do que as sucroalcooleiras também voltaram a contratar em junho, como a indústria de material elétrico, tanto para o uso residencial quanto para a indústria automobilística, atividade que ensaia certa recuperação no país, além da indústria mecânica.  Algumas atividades industriais continuaram a reduzir vagas em junho.

O emprego formal na atividade comercial não aumentou em junho, mas é digna de destaque a contratação de cerca de 200 vagas formais no município de Itabaiana, associadas ao início das atividades do shopping center local. No segmento de serviços,  a atividade  de teleatendimento (call center) voltou a contratar, como também algumas atividades de apoio a condomínios residenciais e bares,  restaurantes e lanchonetes. 

O setor que ainda não esboçou reação é a construção civil, particularmente a construção de edifícios, atividade que continua cortando emprego massivamente, à medida em alguns prédios são concluídos e que poucos empreendimentos novos estejam iniciando.  A restrição do crédito à construção civil no segmento habitacional somente retarda a estabilização do emprego no setor.
 
Os analistas estão em geral precavidos em relação às perspectivas de recuperação do emprego na economia brasileira até o final do ano. No segundo trimestre, a agropecuária foi a principal atividade geradora de emprego, seguida pelo setor de serviços. O emprego na indústria tem oscilado entre resultados mensais positivos e negativos, e o comércio e a construção civil continuaram desempregando. A elevação dos preços dos combustíveis por conta dos aumentos dos impostos e os cortes de despesas anunciados pelo governo federal certamente não vão contribuir para a retomada do emprego. A intensificação do ritmo de redução dos juros nominais é uma das poucas alavancas disponíveis.

*Assessor econômico do Governo do Estado de Sergipe


Coluna Afonso Nascimento
Com.: 0
Por Kleber Santos
23/07
11:59

Rififi sertanejo

José Lima Santana
Professor da UFS

Na última terça-feira, dia 18, foi sepultado na cidade de Carmópolis (SE) o corpo da juíza de direito aposentada Carmem Maria Rosa Araújo. Conheci Carmem Rosa em 1981, mais precisamente, no mês de março, quando eu apresentei ao cartório da distribuição da Comarca de Nossa Senhora da Glória duas petições iniciais. Eram duas ações de execução fiscal. Minhas primeiras ações, como advogado, recém-formado, naquela comarca. O cartório da distribuição estava a cargo de Dona Nair Aragão, titular do 1º Ofício, mas o encarregado era “seu” Domício. Carmem era a juíza da Comarca e o promotor de justiça era o atual procurador da República, Dr. Gilson Gama Monteiro. 

Com o passar do tempo, mantive com Carmem Rosa uma respeitosa amizade. E mantivemos a amizade por toda a vida. O mesmo eu digo com relação ao Dr. Gilson. 

Naquela época, eu advoguei muito na Comarca de Nossa Senhora da Glória, da qual Monte Alegre de Sergipe era Termo. Muitos fatos pitorescos eu presenciei ou de alguns deles participei. Recordo-me, dentre muitos outros, de um que ocorreu em Monte Alegre. Às quartas-feiras, Carmem Rosa ali realizava audiências. Num daqueles dias, ao chegarmos à Prefeitura, onde se realizavam as audiências, o oficial de justiça, “seu” Elói, deu-me uma péssima informação. Uma das audiências era de um réu preso, na penitenciária da capital, acusado de assassinato. Ocorre que, segundo a informação, os familiares do preso viriam em peso do povoado de onde eram originários, para “arrancá-lo das garras da Justiça”, à força. 

A informação preocupou-me. A minha audiência seria a última daquela manhã. A do dito preso seria a segunda. Eu pedi a “seu” Elói que não dissesse nada à juíza, nem ao promotor, que, àquela altura, era o Dr. Ernesto Anísio Azevedo Melo, que substituíra o Dr. Gilson, que já tinha assumido o cargo de procurador da República. Ora, mas o que eu poderia fazer em auxílio à juíza, mas sem nada à mesma poder dizer? Bem, ligar para o delegado regional de polícia de Nossa Senhora da Glória. Não tinha outra coisa a fazer.

O posto telefônico ficava bem pertinho da Prefeitura. Para lá, eu me dirigi. Pedi uma ligação para o número que declinei. Ou seja, o da delegacia. Dirigi-me à cabine. Logo, alguém atendeu na delegacia. Eu tinha que falar com o delegado, que era o capitão Wellington Costa da Silva, sujeito destemido e que tinha sido cunhado do atual chefe de gabinete do reitor da Universidade Federal de Sergipe, professor Marcionilo. Há algum tempo, o capitão Costa é falecido. 

Eu não podia chamar a atenção de ninguém. A quem estava do outro lado da linha, que era um soldado, eu pedi para falar com “o chefe”. Ele passou para o delegado. Eu precisava falar em código. Comecei a dizer-lhe que estava em Monte Alegre com a juíza e o promotor. E disse: “Temos audiências brabas”. Ele indagou: “Brabas, como?”. O posto telefônico estava cheio de gente. Eu não devia abrir o verbo. Sabia-se lá se alguém ali não era da parentela do preso? Então, desconversei, para não chamar a atenção de ninguém: “O jogo pode ficar feio. É preciso uma ‘menininha’ por aqui”. “Menininha” era como o capitão Costa denominava a metralhadora que usava, quando se fazia necessário. Logo, ele compreendeu que eu queria pedir reforço policial para Monte Alegre. E respondeu, perguntando: “Eu tenho que ir aí, né?”. E eu: “Sim. Logo!”. Ele disse que estaria a caminho. Fiquei aliviado, em parte. Torcia para que o delegado e o devido reforço chegassem antes dos parentes do preso. 

Eu retornei à Prefeitura. O preso já lá estava com apenas um soldado vindo em guarnição desde a penitenciária da capital. Tomei assento na entrada do local que servia de sala de audiências. A primeira audiência era sobre um caso simples, que não lembro bem o que era. Lembro que era simples porque não demorou muito, não passando de mais ou menos meia hora. Viria, então, a audiência do tal preso, que os parentes pretendiam levá-lo para casa à revelia da Justiça. Levantei-me. Fui até a calçada. Cochichei com “seu” Elói, o oficial de justiça. Nada do delegado, nem da parentela do preso. Menos mal. Lá de dentro eu ouvi o pregão da segunda audiência. De chofre, um caminhão aportou na quina da avenida. Cheio de gente. De homens. “São eles”, pensei. “Seu” Elói confirmou. O que haveria de acontecer? Sem a presença do delegado Costa, eles ousariam mesmo invadir a sala de audiências e resgatar o preso? O oficial de justiça achava que sim. Afinal, em tempos passados, eles ousaram tirar outro preso da cadeia local. 

Ali estava o prenúncio de um rififi sertanejo. Confesso que fiquei um pouco aflito. A minha preocupação era sobre se eles fariam algum mal à juíza e ao promotor. Levar o preso seria o de menos. Depois, a polícia o prenderia novamente, mais cedo ou mais tarde. Enquanto eu pensava e o caminhão parava quase em frente à Prefeitura, eis que o veículo Gol da delegacia de Glória irrompeu na avenida. Parando ao lado do caminhão, de pronto desceram o delegado e dois soldados. A “menininha” estava nas mãos do capitão Wellington Costa da Silva, com quem eu mantive fraterna amizade até a sua morte. Costa deu ordem para ninguém descer do caminhão, apontando a “menininha” para o grupo. Os dois soldados também estavam com armas em punho e apontadas para os parentes do preso. Um dos ocupantes do caminhão quis parlamentar. O capitão não lhe deu ouvidos. Ficar na frente da boca de uma metralhadora não fazia bem a ninguém. 

Resumindo: o caminhão foi obrigado a dar marcha à ré. Os parentes do preso regressaram ao povoado. A audiência foi realizada sem contratempos. Depois de tudo, o delegado achegou-se e contou à juíza e ao promotor o sucedido, isto é, como eu o tinha “requisitado”. Coisas do sertão. Aliás, apenas um fato interessante dentre tantos que este subscritor vivenciou nas plagas sertanejas, quando ali exerceu a advocacia nos anos 1980. 

Que a minha querida amiga Carmem Rosa descanse em paz!


Coluna José Lima
Com.: 0
Por Kleber Santos
23/07
11:58

Academia de Cordel é instalada em Sergipe

A ideia em fundar a academia surgiu entre os próprios cordelista como forma de fortalecer o movimento em Sergipe

No dia do Municipal da Literatura de Cordel, 19 de julho, o Estado de Sergipe recebeu um grande presente. Foi instalada em solenidade disputada no Museu da Gente Sergipana, a Academia Sergipana de Cordel, uma entidade responsável por preservar esse movimento literário em Sergipe e organizar seus escritores. A academia conta com 37 cadeiras, e tem como patrono João Firmino Cabral, uma das grandes referências do cordel em Sergipe e no Brasil. 

“Um dos compromissos da academia é eternizar a memória de João Firmino e dos cordelistas que ajudam a escrever a nossa cultura”, destacou a acadêmica presidente da Academia Sergipana de Cordel, Isabel Nascimento.  Segundo ela, a ideia em fundar a academia surgiu entre os próprios cordelista como forma de fortalecer o movimento em Sergipe. 

Para o superintendente executivo da Secretaria de Estado da Cultura, Irineu Fontes, que representou o Governo do Estado no evento, é uma satisfação enorme ver nascer mais uma academia em Sergipe. “Venho trazer o abraço do Governo do Estado e do secretário Gama e falar da minha alegria em ver tantos poetas tomarem posse. Tomo a liberdade, inclusive, de sugerir mais uma cadeira, que pode ser do laranjeirense, João Sapateiro”, frisou, lembrando que agora Sergipe terá um espaço importante para fomento da Literatura de Cordel.      

Acadêmicos
Ao serem chamados para tomar posse, cada um dos 37 acadêmicos recitavam versos de poesia que retratavam a importância do cordel e da academia para eles. Segundo o cordelista Thiago Barbosa, que tomou posse na cadeira 27, que tem como patrono Leandro Gomes de Barros, estar fazendo parte da ASC é uma honra muito grande. Vai ser uma instituição muito importante para fomentar a produção literária em Sergipe e fazer com que a arte sempre se renove.

“Estar aqui e ainda ocupando uma cadeira que tem esse patrono que é considerado o Machado de Assis da literatura de cordel, é muito representativo para mim. Por gostar muito de ler, de pesquisar sobre literatura, acabei conhecendo o cordel e me encantei pela arte. Depois de um tempo conhecendo, passei também a escrever os meus próprios cordéis, hoje estou ao lado de poetas que sempre admirei vivendo esse momento ímpar”, afirmou.

A programação do evento contou com apresentação musical do Grupo Vocal Vivace e do cordelista e músico Flávio Tonnetti.

Foto: Ascom/Secult


Variedades
Com.: 0
Por Kleber Santos
23/07
11:57

Reunião avalia adequações e a operação para voo internacional

A operação do voo com saída de Aracaju/SE e destino a Buenos Aires, na Argentina, tem início previsto para o dia 04 de novembro, dependendo apenas da autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac)

Órgãos ligados à aviação e membros da Secretaria de Estado do Turismo e da empresa Gol estiveram reunidos para definir as adequações e as formas de atuação para a implantação do primeiro voo regular internacional em Sergipe. O encontro aconteceu na quinta, 20, na sede da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária – Infraero, e contou também com a participação de membros da Polícia Federal, da Receita Federal e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa.

A operação do voo com saída de Aracaju/SE e destino a Buenos Aires, na Argentina, tem início previsto para o dia 04 de novembro, dependendo apenas da autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Ele será realizado pela empresa Gol Linhas Aéreas, com saídas e chegadas previstas para os sábados.

“O Governo do Estado teve um papel fundamental para a implantação desse voo. E agora, solicitamos essa reunião para a união de todos os órgão envolvidos. Existe uma expectativa muito grande para a operação desse voo e traz uma perspectiva dos sergipanos viajarem com mais facilidade para a Argentina e, principalmente, dos argentinos virem para cá”, explicou o secretário do Turismo, Fábio Henrique.

Fábio Henrique enfatizou que serão de 120 a 150 argentinos semanalmente, conhecendo e gerando renda em Sergipe, movimentando toda a cadeia produtiva. A aeronave terá a capacidade de 174 passageiros, fará escala em Salvador/BA e o tempo médio de viagem será de quatro horas e meia, já contando com a escala.

Foto: Ascom/Setur


Variedades
Com.: 0
Por Kleber Santos
23/07
11:56

Sejesp faz parceria para fomentar polo aquático

Neste domingo, 23, acontecerá no Parque Aquático Zé Peixe a final da “I Etapa do Campeonato Sergipano de Polo Aquático”, realizado pela Federação Aquática de Sergipe (Fase) em parceria com a Secretária Municipal da Juventude e do Esporte (Sejesp) e a Clínica da Associação Brasileira dos Atletas de Polo Aquático (ABAPA). A parceria entre esses órgãos tem como objetivo fomentar a modalidade entre as escolas e os times sergipanos.

Na tarde da última sexta-feira, 21, os organizadores do campeonato foram na Escola Anísio Teixeira, localizada no bairro Atalaia, falar um pouco sobre Polo Aquático para os alunos e convidá-los para uma aula demonstrativa neste sábado, 22.

O polo aquático tem perdido muito espaço ao longo do tempo em Sergipe. E talvez por esse motivo as crianças e pré-adolescentes olhavam com atenção e curiosidade enquanto Antônio, atleta de polo aquático do Clube Parnaíba de São Paulo, com uma bola inquieta na mão, falava sobre essa modalidade esportiva. Em sua fala, ele destacou aspectos inerentes ao esporte que se refletem na vida, como a importância do esporte coletivo, onde cada um tem que fazer sua parte e todos tem que dar seu máximo para conseguir alcançar o objetivo: respeito. No jogo é preciso respeitar as regras do juiz.

Foto: Ascom/Sejesp


Esportes
Com.: 0
Por Kleber Santos
23/07
11:56

Edvaldo inspeciona andamento de obras em Aracaju

O prefeito Edvaldo Nogueira realizou, na manhã deste sábado (22), uma série de visitas a obras que estão sendo realizadas pela administração municipal. Ele percorreu os bairros 17 de Março, Coroa do Meio, Japãozinho e Getúlio Vargas, além dos loteamentos Petrópolis e Rosa do Sol e o conjunto Dom Pedro I. Em todas estas localidades, a prefeitura está trabalhando intensamente, tanto na construção de escolas e reforma de praças quanto na abertura de novas vias e na pavimentação de ruas.

Para o gestor municipal, as visitas são uma oportunidade de ouvir a população, inspecionar a execução das ações e avaliar, junto às comunidades, o impacto da obra. “É desta forma que eu sempre trabalhei, ouvindo a comunidade, visitando as obras, indo in loco ver os problemas que a população sente e apresentar formas de resolvê-los, verificando a avaliação da comunidade e discutindo maneiras de melhorar a vida das pessoas”, afirmou o prefeito.

Foto: Janaína Santos/PMA


Política
Com.: 0
Por Kleber Santos
23/07
11:54

Belivaldo prestigia Festa Amigos do Leite e projeto Sergipe no Altar

A Festa Amigos do Leite é consagrada como um dos maiores eventos da pecuária leiteira no estado

O governador em exercício Belivaldo Chagas, compareceu na tarde deste sábado, 22, ao encerramento da 8° Grande Festa dos Amigos do Leite, no povoado Santa Rosa do Ermírio, situado em Poço Redondo, distante 180 km de Aracaju.  A festa teve início na última quinta-feira, 20, e contou com o apoio do Governo do Estado. 

O governador em exercício se comprometeu junto aos produtores de leite em conversar com o governador Jackson Barreto para que seja construído um parque de exposição para a realização da festa do leite e também outros eventos. 

"Aqui se concentra a maior bacia leiteira de Sergipe, com uma produção de 100 mil litros por dia. Vamos juntar esforços - governo, prefeitura e parlamentares - para construirmos esse parque de exposição fundamental para a região" afirmou.  

Ele disse que o Governo do Estado tem compromisso e responsabilidade com o homem do campo, especialmente o sertanejo que enfrenta prolongadas estiagens. Belivaldo destacou que se Santa Rosa do Ermírio é a maior bacia leiteira de Sergipe, deve-se ao esforço e trabalho dos produtores sertanejos. 

Belivaldo ainda destacou as ações que o governo empreendeu para facilitar a convivência do homem com a seca, "até que o problema foi resolvido por Deus ao trazer a chuva". 

O prefeito de Poço Redondo, Júlio Chagas, disse que a festa é uma iniciativa dos produtores que transformaram Santa Rosa do Ermírio na maior bacia leiteira do Estado. "Quero parabenizar a todos que fazem essa festa que já criou fama além das nossas fronteiras", acentuou. 

A festa Amigos do Leite tem o apoio do Governo do Estado, através da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro). Participaram do evento 32 produtores com 210 animais entre bovinos, caprinos e ovinos.  

A festa conta com torneio leiteiro, onde foram premiados criadores de vaca e novilha, e um leilão. 


Política
Com.: 0
Por Kleber Santos
23/07
11:28

Rogério reúne lideranças do Agreste a diz que pretende disputar o Senado

O presidente do Diretório Estadual do PT, Rogério Carvalho, participou sábado, em Itabaiana, de reunião com dirigentes municipais e lideranças políticas da agremiação no Agreste sergipano. Estavam presentes representantes de Areia Branca, Itabaiana, Campo do Brito, São Domingos, Macambira, Pinhão, `Pedra Mole, Frei `Paulo, Carira, Ribeirópolis, Aparecida e Malhador.

Faltou apenas a representação de Moita Bonita, mas o prefeito Marcos anunciou o seu apoio a Rogério Carvalho, que anunciou ´para os presentes a sua pretensão de disputar uma cadeira do Senado.



Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
1 2 3 4 5 6 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos