Segundo Augusto Bezerra, enquanto a saúde não for levada a sério – e a preocupação, em muitos casos, for apenas com a eleição ou a reeleição –, os pacientes continuarão em segundo plano sofrendo. O deputado alerta ainda para um comportamento de praxe em ano eleitoral.  (ALESE)